Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Amantes


                                                                                                      uma flor

................................                 não longe da noite
...............................              meu corpo mudo
se abre
                                             à delicada urgência do sereno



AMANTES // una flor / no lejos de la noche / cuerpo mudo /se abre / a la delicada urgencia del rocío



Alexandra Pizarnic

4 comentários:

  1. Muito bonitas, simples e expressivas, Júlia: a imagem e as palavras. :-)

    ResponderEliminar
  2. É muito bonito este poema. Toda a flor deve ser como é. Nenhuma pode estar à espera da obscuridade. Toda a flor, que é vista como tal, é amada.

    ResponderEliminar
  3. Lindíssimo o poema. De uma delicadeza emocionante! Parabéns à escritora e ao Blog.

    ResponderEliminar