Pesquisar neste blogue

sábado, 5 de dezembro de 2009

A bela de Amherst


A Morte varrendo
Ela varre com vassouras multicores
E sai espalhando fiapos,
Ó Dona arrumadeira do crepúsculo,
Volta atrás e espana os lagos:

Deixaste cair novelo de púrpura,
E acolá um fio de âmbar,
Agora, vejam, alastras todo o leste
Com estes trapos de esmeralda!

Inda a brandir vassouras coloridas,
Inda a esvoaçar aventais,
Até que as piaçabas viram estrelas —
E eu me vou, não olho mais.

Emily Dickinson ((1830-1886)

Tradução: Aíla de Oliveira Gomes
Tela: Morte Varrendo( nao sei o autor)

4 comentários:

  1. [tão intemporal, Emily e porquê tão ignorada? Terão os poetas do mundo, da vida e de tudo o que ela contém, nascido para contar os enigmas, o puzzle celeste, mas ignorados na sua tarefa até ao suspiro final? Seja esse o "preço", mas não acabe a poesia, combustível elementar do mundo!]

    um imenso abraço

    Leonardo B.

    ResponderEliminar
  2. :-D

    Um excelente domingo, Júlia, com belas palavras e imagens :-)

    ResponderEliminar
  3. Olá, Leonard, Emily pode não ser tão conhecida como merece, mas foi traduzida pelos grandes e isso quer dizer algo. Não é acessível a qualquer um e isso pode ser um elogio :-)

    abraço

    ResponderEliminar
  4. Querida Fugi, desde ontem dois posts, ainda não chega? :-)

    beijinhooossss de bem querer

    ResponderEliminar