Pesquisar neste blogue

terça-feira, 28 de julho de 2009

Sábado à tarde



Perdia meia hora,
Parado em frente ao espelho,
Mudava de camisa

Vestia-me outra vez.
Fechava a porta à chave

Acendia um cigarro.
E ensaiando os gestos

Passava já das 3,
Vestia o meu casaco, corria sem parar
E à porta do cinema, morria de pensar,
Que talvez não viesses,
Não pudesses entrar
Num filme para adultos...até te ver chegar.

Perdia meia hora, num gesto do meu braço
A procurar coragem
Para que fosse abraço.
Chegava o intervalo

Fumava sem prazer
E os gestos que ensaiara, morriam ao nascer
Por fim vencia o medo, quase sem te ver,
Esquecia os meus dedos

Cansados de tremer
Por sobre o teu joelho
Esperando a tua mão
Num filme para adultos
Crescíamos então (um beijo de paixão).

Sábado à tarde no cinema da avenida,

Mal as luzes se apagavam
Acendia o coração

Sábado à tarde

Era uma noite bonita
Noite que sendo infinita
Cabia na nossa mão


Paulo de Carvalho

3 comentários:

  1. Não gosto de muito do que canta Paulo de Carvalho. Mas a este Sábado à Tarde faço uma vénia. :)

    ResponderEliminar
  2. Então, sempre há vida... "depois do Adeus"?

    Gostei, sim.
    Não pensava gostar.
    Mas gostei.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar