Pesquisar neste blogue

terça-feira, 7 de julho de 2009

pouco depressa


falo-te de chuva
como quem diz que as minhas mãos
não se exaltam em revisitar-te o peito

revejo todos os verdes
no peppermint do meu cálice
enquanto a janela abro
pouco depressa
sobre a tarde

falo-te de cansaço
como quem se sentasse
numa poltrona de lã

Daniel Maia-Pinto Rodrigues
mais do autor aqui

Tela:"To Remember" de Bogdan Zwir

4 comentários:

  1. Está muito poética e enigmática, menina Júlia... hum.

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito o poema. instigante a tela.

    beijos

    ResponderEliminar
  3. Querido Mike, eu não estou SOU!


    eheheh

    Querida Dulce, sorte ter encontrado. A prova de que quando me empenho!...

    ResponderEliminar
  4. "falo-te de cansaço
    como quem se sentasse
    numa poltrona de lã"

    Bonito

    ResponderEliminar