Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

"Teclado"



(ouvindo Dinu Lipatti)

Que música começa
nos teus dedos e sobe
pelas veias do verso
quando o sangue se move
só por dentro dos ossos
entre o som e o medo?

Donde emerge o remorso
de ferir o silêncio

e deixar que o desejo

a pairar se dissolva
num arpejo de dor
quando o verso já sobe
nas veias dos teus dedos
e a música começa?

José Augusto Seabra

17 comentários:

  1. Sabe uma coisa, Júlia? feridos (leia-se preocupados) estávamos nós com o seu silêncio. Ainda bem que está de volta com a música nos seus dedos. :)
    (Eu, contente, por estar de volta)

    ResponderEliminar
  2. pois eu digo-lhe que fiquei esclarecida com a preocupação de alguns, caro Mike :-P

    ResponderEliminar
  3. Que prazer ver que reabriu o blog, Júlia!
    Que bom poder aqui voltar para me encantar

    beijinho, minha querida

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito, Júlia, música e poema. E fico contente por a ter de volta, presumindo, portanto, que plenamente restabelecida. Um beijinho.

    ResponderEliminar
  5. Bom regresso, Júlia. Ainda bem que já estás melhor.
    Beijo

    ResponderEliminar
  6. Que bom que voltaste! :) Já me faziam falta as tuas partilhas gourmet...

    Beij*s Beij*s Beij*s

    ResponderEliminar
  7. Vim aqui pensando não a encontrar- assim, o sabor foi ainda maior!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Olá!
    Fico na dúvida se ainda se lembrará de mim... :)
    Agora estou a morar bem pertinho de si. Envie-me seu contacto de MSN para: pmsferreira32@gmail.com

    ResponderEliminar
  9. Volto aqui para ouvir o teclado soltar esse som divino, porque o que utilizei há bocado não tinha placa de som. Magnífico!

    ResponderEliminar
  10. Querida Minucha,obrigada pela sua sempre presente ternura!

    ResponderEliminar
  11. Obrigada Querida Luisa! Não completamente restabelecida , mas em condições de teclar, os braços já não me doem :-)

    ResponderEliminar
  12. Querida Cristina,sabia que gostaria, pensei ao ouvir isto :-)

    beijinho

    ResponderEliminar
  13. Olá, Capitão! Na dúvida ? Vê-se que não me conhece. Pensei-o morto e enterrado, acaou de me alegrar.

    ResponderEliminar