Pesquisar neste blogue

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

"O Poeta e a Lua"

Em meio a um cristal de ecos
O poeta vai pela rua
Seus olhos verdes de éter
Abrem cavernas na lua.
A lua volta de flanco
Eriçada de luxúria
O poeta, aloucado e branco
Palpa as nádegas da lua.
Entre as esferas nitentes
Tremeluzem pêlos fulvos
O poeta, de olhar dormente
Entreabre o pente da lua.
Em frouxos de luz e água
Palpita a ferida crua
O poeta todo se lava
De palidez e doçura.
Ardente e desesperada
A lua vira em decúbito
A vinda lenta do espasmo
Aguça as pontas da lua.
O poeta afaga-lhe os braços
E o ventre que se menstrua
A lua se curva em arco
Num delírio de volúpia.
O gozo aumenta de súbito
Em frêmitos que perduram
A lua vira o outro quarto
E fica de frente, nua.
O orgasmo desce do espaço
Desfeito em estrelas e nuvens
Nos ventos do mar perspassa
Um salso cheiro de lua
E a lua, no êxtase, cresce
Se dilata e alteia e estua
O poeta se deixa em prece
Ante a beleza da lua.
Depois a lua adormece
E míngua e se apazigua...
O poeta desaparece
Envolto em cantos e plumas
Enquanto a noite enlouquece
No seu claustro de ciúmes.

Vinicius de Morais
(in Poesia completa e prosa: "O encontro do cotidiano")

A Lua, eterna musa inspiradora de poetas.

24 comentários:

  1. O Vinicius quando escreve quase parece poesia. (risos)
    Devia ser daqueles que bebia a garrafa de vinho enquanto os poetas andavam a fazer poemas sobre o sexo dos anjos. ;)

    ResponderEliminar
  2. se ele era um deles, só podia entender de Poetas, Mike :-)

    ResponderEliminar
  3. Não gosto de comentar poesia.
    Como também faço uns poemecos.
    Mas há aqueles grandes ... não só portugueses, nem só da nossa língua, que merecem ser relembrados.
    Deixo-lhe uma assinatura de Vinicius de Morais(que gosto)

    Soneto do amor total

    Amo-te tanto, meu amor... não cante
    O humano coração com mais verdade...
    Amo-te como amigo e como amante
    Numa sempre diversa realidade.

    Amo-te afim, de um calmo amor prestante
    E te amo além, presente na saudade
    Amo-te, enfim, com grande liberdade
    Dentro da eternidade e a cada instante.

    Amo-te como um bicho, simplesmente
    De um amor sem mistério e sem virtude
    Com um desejo maciço e permanente.

    E de te amar assim, muito e amiúde
    É que um dia em teu corpo de repente
    Hei de morrer de amar mais do que pude.

    ResponderEliminar
  4. 'poemecos' não é a verdade, Júlia.
    O Xistosa tem poemas lindos, ainda coloquei dois ou três no outro blog.
    Gosto de Vinicius. Gosto da crueza, feita beleza e ele era mestre a fazê-lo

    Desencontrámo-nos

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. esqueci-me de falar da imagem
    Sensacional!
    tenho cá uma paixão pela lua...

    ResponderEliminar
  6. o sono!!

    tem razão, josé Torres, é do Vinicius, o Soneto do Amor Total!!

    ResponderEliminar
  7. Por que tens, por que tens olhos escuros
    E mãos lânguidas, loucas, e sem fim
    Quem és, quem és tu, não eu, e estás em mim
    Impuro, como o bem que está nos puros ?

    Que paixão fez-te os lábios tão maduros
    Num rosto como o teu criança assim
    Quem te criou tão boa para o ruim
    E tão fatal para os meus versos duros?

    Fugaz, com que direito tens-me pressa
    A alma, que por ti soluça nua
    E não és Tatiana e nem Teresa:

    E és tão pouco a mulher que anda na rua
    Vagabunda, patética e indefesa
    Ó minha branca e pequenina lua !
    (vinicius)

    ResponderEliminar
  8. Como diz a canção, a lua é mesmo feiticeira. Há lá espectáculo mais lindo do que uma noite de luar?...

    ResponderEliminar
  9. Cleo,

    "Os meus olhos são uns olhos,
    e é com esses olhos uns
    que eu vejo no mundo escolhos,
    onde outros, com outros olhos,
    não vêem escolhos nenhuns." (António Gedeão)

    Por isso sao poetas. Têm olhos e olham, sim. Mesmo quando parece que não.:-)

    ResponderEliminar
  10. lindo, CA, obrigada por lembrar esse poema e pela visita :-)

    tenho lido o seu blog e gosto muito :-)

    ResponderEliminar
  11. e as palavras ao luar, Cristina, têm realmente outro sabor! :-)

    beijinho

    ResponderEliminar
  12. A lua...monstro libidinoso, segundo Zaratustra.

    Já alguma vez viu um pôr-de-lua no mar?

    ResponderEliminar
  13. Adoro Vinicius e a imagem é fabulosa!!!

    ResponderEliminar
  14. Adoro "Os Benefícios Da Lua" de Baudelaire. Tão lindo... :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Não mereci resposta...

    Talvez me estivesse a "invadir".

    Peço desculpa. Sinceramente.

    ResponderEliminar
  16. Lorenzo, não esqueça que "A Lua, dizem os ingleses, é feita de queijo verde" :-)

    ResponderEliminar
  17. Ai que horror...barg...(Vómito!) Lua de queijo verde. Só os Ingleses!

    ResponderEliminar
  18. Lorenzo, Um Pôr de Lua no mar é como aquele que tenho no Blog. Verde.....estranhamente verde....

    ResponderEliminar