Pesquisar neste blogue

domingo, 22 de fevereiro de 2009

espelho

O JM Coutinho Ribeiro no Anónimo e aqui, o Mike também de uma outra forma ,no Desconversa pedem-me seis particularidades que eu vejo (digo?) todos os dias ao espelho. Repondo com este poema de Mário Quintana:



" Por acaso, surpreendo-me no espelho:
Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (...)
Parece meu velho pai - que já morreu! (...)
Nosso olhar duro interroga:
"O que fizeste de mim?" Eu pai?
Tu é que me invadiste.
Lentamente, ruga a ruga...
Que importa!
Eu sou ainda aquele mesmo menino teimoso de sempre
E os teus planos enfim lá se foram por terra,
Mas sei que vi, um dia - a longa, a inútil guerra!
Vi sorrir nesses cansados olhos um orgulho triste... "


O meu pai faria anos ontem. Herdei dele toda a genuína espontaniedade infantil, o olhar triste, as malfadadas distrações, as sardas num nariz com a agravante de ser à boca-de-sino, esta boca cheia com o coração a sair de dentro dela, os pés pequenos e perfeitos, esta alegria infundada que vem do Além e este infinito amor pela Poesia.



Passo à Once, Sum, José Torres , Minucha e Cristina

26 comentários:

  1. Júlia, a esta resposta com um poema do nosso Mário Quintana, me curvo com uma vénia, menina. Por tudo o que este post encerra. :)

    ResponderEliminar
  2. isso é porque o Mie é tolerante comigo e meu amigo :-)
    obrigado por isso!

    ResponderEliminar
  3. O meu Pai, Júlia, também faria anos em Fevereiro. E também eu o sinto invadir-me, tomar conta dos meus gostos, das minhas percepções das coisas, das minhas reacções, do meu temperamento, dos meus olhos. Cada vez o vejo mais em mim. Gostei muito deste seu «post». :-)

    ResponderEliminar
  4. sempre fui muito parecida com ele, Luisa, daí talvez a grande ligação que tinhamos, muito metafisica.

    Um abraço e obrigada!

    ResponderEliminar
  5. está aceite Júlia.
    Mas vou dizer uma coisa, não tão bem, evidentemente, que o Mário Quintana e a Júlia dizem.
    Vou tentar agora

    beijinho e obrigado

    ResponderEliminar
  6. e eu que não queria fazer esta corrente :-)

    beijo, Minucha!

    ResponderEliminar
  7. fazias mal, Júlia.
    É uma corrente impecável
    Vou mesmo gostar de a fazer

    ResponderEliminar
  8. Ai eles pediram tal coisa? É preciso descaramento!

    ResponderEliminar
  9. CM, o meu amigo tem uma corrente para fazer aí em baixo.não lhe dei esta para não ficar muito pesado :-)

    ResponderEliminar
  10. Que linda resposta, Júlia...mágnífica!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  11. bonita resposta Querida Júlia :) para a minha já dada aqui: http://chasecafes.blogspot.com/2009/02/blogchallenge-i.html
    (não sei fazer links aos comentários é o que é .. risos) agradeço-lhe o convite **

    Beijinho e bom feriado *

    ResponderEliminar
  12. Júlia, já escrevi o meu elo nessa corrente, onde a acorrentei também, no dia 14 de Fevereiro

    Este poema foi muito bem escolhido

    Beijinho

    ResponderEliminar
  13. Cristina...sorry,sorry, mil perdões...
    está a ver que não posso reclamar? ando na Lua!!

    ResponderEliminar
  14. Querida Onc, logo `anoite irei ver!..
    ansiosa por beber as suas palavras
    beijinho

    ResponderEliminar
  15. Eu tenho uma corrente? Não vi, mas já estou a sentir o peso dela ao pescoço...

    ResponderEliminar
  16. Ah, em tempo: quanto aos seus "pés pequenos e perfeitos" já tinha confirmado pelas suas fotos...

    ResponderEliminar
  17. Agora assunto mais mais... também sinto a falta do meu pai, olhe poder fazer hoje com ele tudo aquilo que ambos não soubemos fazer um com o outro.. mas a vida não espera por nós...apenas peço que ele esteja junto de Deus...

    ResponderEliminar
  18. pois, nem deu conta que tinha uma corrente, CM.

    eu ainda me sinto ligada a meu pai. olhe, dou comigo a falar com ele muitas vezes :-)

    ResponderEliminar
  19. Caríssima JúliaML

    Vou deixar o que tenho escrito no meu blog.
    É que nos primórdios tive uma pequena chatice, por nomear um blog para uma coisa do género.
    Depois tive uma chatice com uma blogueira, porque para além de não perceber nada de computadores, por vezes tenho dificuldades em saber o que as pessoas querem.
    Foi o que aconteceu ... (uma pessoa que me telefonava, que falava com a minha mulher, que cheguei a estar no Gmail, das 23 horas, até ás 5 da manhã.
    Que tratei de tudo para lhe proporcionar condições para publicar um livro - que não saiu.)
    Arrependo-me sempre do que faço.
    Ontem, ou já hoje de madrugada, vim ao seu blog e vi o desafio.
    Podia fingir ...
    Mas não gosto de fugir ás responsabilidades e enfrentá-las de frente.

    Por isso, deixo-lhe o que tenho escrito no m/blog e depois o post/resposta ao desafio.

    "AVISO AOS NAVEGANTES
    Devido ao adiantado estado do meu reumatismo, solicito a todos, que não me convidem, quer para bater em alguém, para correr com o governo, votar ao lado da oposição, para postagens múltiplas, (eu sou um ser simples), desafios, (embainhei a minha espada e enferrujou-se), menções honrosas, medalhas, nomeações para querubins e toda uma panóplia de nenhures.
    Todos me merecem a maior consideração e respeito, mas não querendo ofender ninguém, antecipadamente digo não ... a todos os convites!
    A bem do meu bem estar,
    xistosa - josé torres"

    Agora a resposta ao desafio, (que foi feito há poucos minutos):

    O meu espelho retrovisor

    Olho todos os dias e sempre
    para o espelho retrovisor,
    quero ter a certeza que tenho lá o meu visor,
    que não sou perseguido por um qualquer incisor
    e mesmo que não seja como no televisor,
    possa sempre ser eu o decisor,
    para qualquer divisor,
    mesmo não sendo um provisor.
    E se aparecer um qualquer percursor revisor
    armado em polícia, como um opressor,
    acelero, fujo, escapo e com fragor,
    direi uma palavra amiga com “furor”
    porque todos os dias o motor,
    as ruas e tudo me trata com rancor
    e é verdade … não sou professor.
    Sou um simples transgressor,
    ou talvez um condutor promissor,
    que olha sempre o seu espelho retrovisor.


    Uma boa semana

    ResponderEliminar
  20. Estimado José Torres,

    ri com gosto pela exposição franca que tanto aprecio e vejo o caracteriza. Sinta-se à vontade, estas coisas são como são e ningem tem que se sentir pressionado ou obrigado, perderia a graça.

    abraço amigo

    ResponderEliminar
  21. Estimado José Torres,

    ri com gosto pela exposição franca que tanto aprecio e vejo o caracteriza. Sinta-se à vontade, estas coisas são como são e ningem tem que se sentir pressionado ou obrigado, perderia a graça.

    abraço amigo

    ResponderEliminar
  22. Estimado José Torres,

    ri com gosto pela exposição franca que tanto aprecio e vejo o caracteriza. Sinta-se à vontade, estas coisas são como são e ningem tem que se sentir pressionado ou obrigado, perderia a graça.

    abraço amigo

    ResponderEliminar
  23. Estimado José Torres,

    ri com gosto pela exposição franca que tanto aprecio e vejo o caracteriza. Sinta-se à vontade, estas coisas são como são e ningem tem que se sentir pressionado ou obrigado, perderia a graça.

    abraço amigo

    ResponderEliminar
  24. É linda esta resposta e este poema.
    Muito obrigada pelo convite.
    Vou tentar o melhor que conseguir apesar de já não o merecer. Desculpe Júlia, não vi mesmo.
    Um beijo do tamanho da Lua

    ResponderEliminar