Pesquisar neste blogue

domingo, 9 de novembro de 2008

OS OLHOS (sobre a memória e o tempo)



1.

Quando morreu a sua amada
Pensou em envelhecer
Na sua casa encerrado,
Só, com a sua memória e o espelho
Onde ela se mirava um claro dia.
Como o ouro na arca do avarento,
Pensou que guardaria
Todo um passado no espelho claro,
E o tempo não correria já para ele.
2.
Mas passado o primeiro aniversário,
Como eram? – perguntou – pardos ou negros
Os seus olhos? Esverdeados?
Cinzentos?
Como eram, Santo Deus, que me não lembro?
3.
Saiu à rua um dia
De primavera e passeou em silêncio
O seu duplo luto, de coração fechado...
Duma janela no sombrio vão
Viu uns olhos brilhar. Baixou os seus
E seguiu seu caminho
.
Como esses!

António Machado
Imagem : de Alicia Monks

18 comentários:

  1. O poema de Machado deixa-me triste por ele e exultante por mim. É que estou entre os privilegiados que são espreitados por olhos uns, tão insusceptíveis de confusão como de esquecimento. Os Que estão ali em cima...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. E apesar de não saber já como eram de facto, não perderam a sua importancia, apenas se transformaram numa doce memória que pode ser ténue mas presente. Até porque só assim, deixa espaço para que outros brilhos sejam apreendidos e vividos.

    ps: Já sinto saudade de fotografar os teus!

    ResponderEliminar
  3. E apesar de não saber já como eram de facto, não perderam a sua importancia, apenas se transformaram numa doce memória que pode ser ténue mas presente. Até porque só assim, deixa espaço para que outros brilhos sejam apreendidos e vividos.

    ps: Já sinto saudade de fotografar os teus!

    ResponderEliminar
  4. fecham-se portas e janelas .. às vezes, quase sempre, para nada :)

    Gostei Querida Julia .. beijinho de boa semana *

    ResponderEliminar
  5. Grande ligação entre imagem e palavras, Júlia! O poema é certeiro, o tempo esbate as cores e lima as esquinas... felizmente, ou muitas memórias seriam insuportáveis.

    ResponderEliminar
  6. Sim, Júlia, a imagem, como diz a Ana, está muitíssimo bem escolhida para o poema.
    Gosto muito desta sua capacidade (sensibilidade) para ligar palavras e imagens :-)

    ResponderEliminar
  7. os olhos?



    verdes.


    como os se alguém que conheçoooooooooooooo....


    almas.

    ResponderEliminar
  8. Sempre me emocionando, né, Júlia, querida?

    Um grande beijo, amiga.

    ResponderEliminar
  9. Olá meu Papparazzi preferido :-)

    Nelson, parece que a memória da Amizade tem mais bytes ;-)

    ResponderEliminar
  10. Querida Fugi, uma capacidade que eu não sabia que tinha. :)

    beijinho

    ResponderEliminar
  11. Júlia, a menina imposta-se de seguir caminho? Sem baixar nem fechar os seus (lindos) olhos?
    :-)

    ResponderEliminar
  12. Ó Júlia segue caminho
    Sem fechar os teus lindos olhos
    Queremos ver um sorrisinho
    Porque gostamos de ti aos molhos.

    ResponderEliminar