Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

IMAGINAÇÃO



A imaginação é a memória que enlouqueceu


Mário Quintana
Tela de Michelle Giacobello

11 comentários:

  1. Que beleza de frase, que beleza de imagem, que beleza de conjugação de frase e imagem...
    :-)))

    ResponderEliminar
  2. tudo é uma belezura, inté vosmicê aparecendo por aqui :-)))

    ResponderEliminar
  3. Ah, Mário Quintana, não sei o que é melhor... se ler-te ou tresler-te. Obrigado, Júlia. :)

    ResponderEliminar
  4. lol lol
    (gosto mesmo quando a Júlia e o Mike - vosmicês - "falam" assim)
    :-)

    ResponderEliminar
  5. Bela definição.
    A imaginação é crucial para a perenidade da memória.
    É balançar no arame com um sorriso trocista.
    E atirar-se sem medo.

    ResponderEliminar
  6. se atentarmos nas lombadas dos livros vemos contudo que é uma loucura consciente ;)
    Salvaguardando a fertil imaginação da criançada até consigo concordar, desta vez ;)

    Beijinho Querida Júlia *

    ResponderEliminar
  7. é sim, Margarida, nas nossas recordações existem sempre acrescentos, ao nosso presente, ela gera equívocos.

    Quando uma criança lança uma bola de sabão, não quer que ela seja mais do que uma bola de sabão. Ter a memória rasa, à maneira de Caeiro, deve ser o segredo para escaparmos dessa loucura que é ter imaginação!

    abraço!

    ResponderEliminar
  8. Querida Once, mas nas crianças é diferente,remeto-a para o que disse à Margarida, em cima, àcerca das bolas de sabão da filosofia de Caeiro.

    Também concordo que é uma loucura consciente.

    beijo, querida Once

    ResponderEliminar