Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

RECEITA PARA UM CASAL NUNCA BRIGAR (COM SOM)

foto daqui


(Para intervalar a Série "Das Casas")

"Um casal foi entrevistado num programa de TV porque estava casado ha 50 anos e nunca tinha discutido. O repórter, curioso, pergunta ao homem:

- Mas você nunca discutiram mesmo?

- Não.

- Como? Impossível isso acontecer...

- Bem, quando nos casamos, a minha esposa tinha uma gatinha de estimação que amava muito. Era a criatura que ela mais amava na vida. No dia do nossocasamento, fomos para a lua-de-mel e minha esposa fez questão de levar agatinha. Andamos, passeamos, nos divertimos e a gatinha sempre connosco, mas certo dia a gatinha mordeu minha esposa. A minha esposa olhou bem para agatinha e disse: '- Um. " Algum tempo depois a danada da gatinha mordeu minha esposa novamente. A minha esposa olhou para a gatinha e disse: '- Dois."

Na terceira vez que a gatinha mordeu, minha esposa sacou uma espingarda e deu uns cinco tiros na bichinha. Eu fiquei apavorado e perguntei:

- 'Sua ignorante desalmada, porque que fizeste uma coisa dessas, mulher?'A minha esposa olhou para mim e disse:

- "Um."
Depois disso, nunca mais discutimos."


Nota: receita enviada pela minha amiga Ana T, que está casada há mais de 100 anos :-))

24 comentários:

  1. Isso não se faz: assustar o homem :)
    Mas até que "comprou" a paz :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Acabo de ver no "radar" que cheguei do Estoril, mas desencontrei-me com o Paulo :)

    ResponderEliminar
  3. eu penso que é a melhor receita :-))Assustá-los logo no inicio!

    um homem assustado , é um gato!
    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Nesta história tudo faz sentido para mim, se bem que no princípio tivesse ficado intrigado. Por continuar vivo depois de 2 divórcios. Ainda pensei, tentando recuar no tempo, que comigo talvez tivesse sido... "Um"... "Tchau!". Mas acho que não. Acho que sou um gato (gato mesmo, daqueles que às vezes as senhoras confundem com frangos e chamam borracho) e por isso tenho 7 vidas.
    (gargalhada contida, prestes a explodir)

    ResponderEliminar
  5. :-)

    olhe, aqui a sua amiga/galinha depenada/estorricada e às vezes apimentada envia-lhe um beijo.

    porque gosto de si,sabia? mesmo assim, esfranganado :-))

    ResponderEliminar
  6. :-)
    E aqui o seu amigo/gato/7 vidas/quase sempre apimentadas, retribui.
    :-)

    ResponderEliminar
  7. Júlia, o som é o dos tiros? É que eu não consigo ouvir som nenhum...

    (A receita é boa, mas obriga a ter sempre a arma carregada e atrás da porta...) :)

    ResponderEliminar
  8. Querida Júlia, acha que com um peixinho encarnado a receita também funciona? ;-)

    ResponderEliminar
  9. Ana,

    A poesia não tem som? Então por que a anedota não pode ter? :-)))

    também faria efeito uma vassoura,mas não teria som :-(

    ResponderEliminar
  10. não, querida Luisa, o meu saber empirico diz-me que ele faria queixa ao médico por ter engordado tanto. tipo assim "a minha mulher dá-me peixinho vermelho muito apuradinho e eu não resisto". Preso por ter peixinho, preso por não ter. :-Pe "às vezes é mau ser-se boa cozinheira" diria a mamã.

    ResponderEliminar
  11. Nunca é mau ser-se boa cozinheira, diria o papá... ;-)

    ResponderEliminar
  12. Vou talvez despedir-me de vocês.

    Rogério Carrola

    ResponderEliminar
  13. Queridos Amigos,
    não comentei antes porque ainda estou assustado com tal precedente, no Dia dos Animais, o meu dia, enfim... Chego ao Grande «Privilégio...» e vejo logo o meu nome na caixa a dizer que estou errado, antes de abrir a boca, digo, carregar nas teclas!
    Saio à Francesa. Saffe! (maneira chic de dizer "safa!"

    ResponderEliminar
  14. A mãe dos meus filhos, nativa de Leão, apontou-me o dedo como se fosse uma vara e disse:
    - "Dois." (um par deles...)
    Caí de joelhos e fui arrastado para os curros da Psiquiatria.
    Mas ainda há gente boa neste mundo. A Sílvia, amiga dos meus filhos, adora gatos, cães e outra bicharada.

    Menina-mulher coragem
    BBC Vida Selvagem
    Perfil de índia tão bela

    Os animais a veneram
    Quantos humanos quiseram
    O favor dum mimo dela

    Menina-mulher ternura
    Sorriso aberto doçura
    Braços berço de menino

    Acaricia um leão
    E amolece o coração
    Mesmo ao mais duro felino

    Saudações bloguistas.
    António

    ResponderEliminar
  15. Querido Mike, que mal lhe pergunte:

    O menino é sogro, para saber essas coisas? :-P

    ResponderEliminar
  16. ichiiiiiiii, querido Paulo o menino é lá homem para sair à francesa?

    :-(

    que é que eu fiz??

    ResponderEliminar
  17. :-)
    António (tentativas poemáticas)

    gostei do seu poema!

    Os Leões só atacam por questões de sobrevivência :-)

    abraço

    ResponderEliminar
  18. Nos primórdios do meu blog, comecei a publicar as anedotas que considero do melhor que já vi e li na internet.
    Quando se quiser descontrair, "comece pelo príncipio".
    Alguma que não goste, pode reclamar ...

    ResponderEliminar
  19. Parecem-se mesmo com o meu Zeca e a minha Xica! beijos Querida amiga.

    ResponderEliminar
  20. É bom que os maridos não leia isso, Júlia, querida. O tiro pode sair pela culatra. :P
    Adorei!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  21. Belissima esta Estória... cheia de Humor!
    Parabéns
    Agradeço ao amigo Nelson Silva, a oportunidade de vistar o seu interessante BLOG
    Cordialmente
    Gaspar de Jesus

    ResponderEliminar
  22. Parabéns Gaspar, a exposição é uma ideia belíssima e parece-me muito bela, tentarei não faltar.

    Os amigos dos meus amigos,meus amigos são :-)

    ResponderEliminar