Pesquisar neste blogue

domingo, 26 de outubro de 2008

A muller dormida

Foto de Nelson Silva


emerxo serea da verticalidade
na que me atesouras.
.
mergullada na inmensidade
do gris, alónxaste de min,
.
trémenme as pernas cando
sinto teu alento entre elas,
oscilo lambela no ferro de teu corpo erecto.
somos cerámicas en composición asimétrica,
un ángulo imposible no que trasladarnos.
mollásme coa latitude esforzada:
meus beizos, túa lingua.
meus ollos, túa nostalxia.
meus agarimos, túa roupa.
tumbarme en ti desexo,
caer escama a escama en teu corpo arácnido e tecernos baixo unha rede de escuma,
mostrar meus peitos de musa entre túas maus de xeo rompendo a aritmética dos sentidos

Eva Doroxo AQUI

Tradução para o português de Alberto Agusto Miranda daqui


mergulhada na imensidade do gris, afastas-te de mim,
tremem-me as pernas quando sinto o teu alento entre elas,
oscilo lâmpada no ferro do teu corpo erecto.
somos cerâmicas em composição assimétrica,
um ângulo impossível para a trasladação.
molhas-me com latitude esforçada:
meus lábios, a tua língua.
meus olhos, a tua nostalgia.
meus carinhos, a túa roupa.
Acampar em ti desejo,
cair escama a escama no teu corpo aracnídeo e tecer-nos sob uma rede de espuma,
mostrar os meus peitos de musa entre as tuas mãos de gelo rompendo a aritmética dos sentidos.

31 comentários:

  1. Hum... não sei explicar porquê, mas gostei deste... poema? :-)
    Júlia, estou na dúvida: basco?

    ResponderEliminar
  2. Hum... o poema é bonito mas a imagem... por momentos julguei que estivesse nuns certos sítios...
    Hum...
    :-)

    ResponderEliminar
  3. não sei quem é este senhoranónimo,mas vou responder :-)

    Eu tenho um livro de poesia dela, mas estou com preguiça de procurar, até já a dclamei, embora improvisadamente. Eva é Galega, só pode! :-)

    ResponderEliminar
  4. mas não, Fugi, a Foto é do meu querido amigo Nelson, foi tirada na Ribeira.Acho a ideia dele linda, ter colocado a musa na varanda.

    ResponderEliminar
  5. acrescento que isso foi um instantâneo dele, ele tem fotos belissimas no site dele.

    ResponderEliminar
  6. Ups, sorry Júlia, o anónimo da dúvida era eu. Às vezes a tecnologia ultrapassa-me. ;-)

    ResponderEliminar
  7. júliaml,
    quente, muito quente a poetisa galega, quiçá fogosa, e ainda bem, gerou um poema incandescente, só podia, claro...
    :-)

    ResponderEliminar
  8. se forem ao blog do Nelson, estão lá as fotos do lançamento do livro que falo. ela é uma mulher bonita e jovem e simpática.

    ResponderEliminar
  9. Mister, eu cheirou-me aqui que só podia ser o meu amigo Mike, qu apesar e irtual eu já conheço pelas letras . pfft

    ResponderEliminar
  10. Confesso que imagens de escama a escama me deizam algo... escamado.
    Mas reconheço grande vantagem em bonecas como a da imagem sbstituírem neste Natal aqueles velhos das Barbas insufláveis a entrar pelas chaminés...
    Beijinho, Querida Júlia

    ResponderEliminar
  11. Júlia, muito obrigado pelo destaque.
    As imagens do lançamento do livro da Eva aqui no Porto estão em neste link

    Uma tradução para português está no meu blog se alguém tiver curiosidade.
    Muito obrigado de novo!

    ResponderEliminar
  12. então, é fácil,peça-lhe o endereço.

    ou (ideia luminosa)
    como ela é da Ribeira, arranja uma corda e faz um zappinge pesca-a
    (riso abafado)

    ResponderEliminar
  13. então? mas vxa estava com tanta força!

    (riso muito candido)

    ResponderEliminar
  14. então...hum..

    uma grua?

    um sherpa?

    vou leva-a num arrastão LOL

    ResponderEliminar
  15. Há que ser ousado e imaginativo... eu trouxe-a pelo meu olhar que a registou em fotografia.
    E vejam... como tem dado que falar esta "minha" menina!

    ResponderEliminar
  16. Nelson, eu acho que uma rajada de vento vai decidir .Puft!

    Não cuidaste da tua flor,amigo. Deixaste-a ao frio e ao relento...:-P

    ResponderEliminar
  17. Olho-te com o olhar parado e nem sei muito bem por onde começar a viagem que nasce no nada, esse magnífico espaço, onde tudo nasce. Talvez pudesse começar pelos pés, cautelosamente entrelaçados no ferro, mas, pelos pés, temo que a viagem seja longa e que já não estejas quando quiser olhar os teus olhos com os meus olhos parados. Deixemos, pois, os pés, no seu equilíbrio periclitante, e atentemos nos olhos que, na posição em que estou e na posição em que estás, me parecem fechados. Talvez porque estão fechados sejam mais ardidos, que é o que se pode dizer de olhos fechados que, contudo, parecem rasgados como os de uma gueixa em momento de libidinoso entusiasmo. Esperas por mim? Presumo-te impaciente e, então, concentro-me nos teus seios, que, aí, todos os começos são bons, um bom ponto de partida seja para norte ou para sul.

    ResponderEliminar
  18. CR!...a Musa ainda cai da varanda e depois eu não me responsabilizo :-)))

    ResponderEliminar
  19. Nelson, estão a passar-te a perna, o facto de teres pousado o teu olhar nela, não te confere mais direitos, usa as tuas armas :-)

    ResponderEliminar
  20. Oh Júlia deixa-os adorar tão bela musa que já me inspirou a mim e à Eva! Não quero exclusivos, deixa-os encantarem-se com aquilo que eu lhes mostro...
    Uma musa assim não deve ser deixada livre para que muitos se inspirem!

    ResponderEliminar
  21. Nelson, a melhor forma de prender alguém, é deixá-la ir :-)

    Querias dizer deve ser deixada :-)

    ResponderEliminar