Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

"Maríntimo"


" (......................)

Quem sabe um dia, mar
eu possa transformar-me em areal
Desintegrar-me em conchas e coral
e conhecer-te, enfim
sem naufragar... "
***
Ana Vidal, in Seda e Aço
.

12 comentários:

  1. É um privilégio estar aqui nos teus caminhos, querida Júlia. Obrigada.
    A imagem é fantástica.

    ResponderEliminar
  2. Belo.
    Uma vontade inequívoca de conhecer o mar,fazer parte integrante dele e do que o rodeia mais intimamente, sem sucumbir, por causa dele ou por vontade dele. Tudo isto numa onda, que vem e que vai e que acaba por levar esta confissão tão densa e oluntariosa.
    Lindo.
    :)

    ResponderEliminar
  3. Acho estes teus versos lindíssimos, Ana!...estava à espera de uma imagem que fosse digna deles. Hoje achei!

    O Privilégio dos Caminhos é de quem passa por eles.

    ResponderEliminar
  4. Só se conhece a fundo quando se faz parte do Todo, diz bem, FLIP!

    Imagem densa ,esta. Ser concha, Coral,Areia,fundir-se nele. Lindo!

    ResponderEliminar
  5. Gosto muito, Júlia (pelo «post») e Ana (pela poesia). Para que as proximidades não implicassem naufrágios, acho que me transformei um pouco com o amor. Mas ainda não o fiz com o mar. Com este, ainda não passei das trocas de olhares, nem creio que vá passar. :-)

    ResponderEliminar
  6. só assim é possivel a comunhão, querida Luisa. não julgue que o outro lado tambem não tenha modificado.

    com o Mar assim é, ou nos deixamos levar ou ficamos pela superfície do olhar..

    ResponderEliminar
  7. je ne me lasse pas de la beauté incroyable de cette photo... malheureusement je ne comprends pas le portugais...

    ResponderEliminar
  8. je ne me lasse pas de la beauté incroyable de cette photo... malheureusement je ne comprends pas le portugais...

    ResponderEliminar
  9. Bon soir, Emanuel :-)

    Ana Vidal, l'écrivante, s'adresse à la mer, veut se transormer
    pour mieux le connaitre d'une
    façon intime.
    elle veut devenir du sable, se désintégrer en coquillage ou même en corail. Tout cela sans avoir naufrager.

    ResponderEliminar
  10. Um conhecimento que acarreta riscos, mas todos os encontros os supõem. Muito lindo.

    ResponderEliminar
  11. Profundo,não é, Cristina?...

    Estou incapaz de postar algo, hoje...

    ResponderEliminar