Pesquisar neste blogue

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Outono



Caíram as últimas folhas.
Nossos passos calcam-nas,
pastel, no parque da cidade.
Nossos olhos miram a nudez
impudíca das árvores.
O vento norte ululante
agita-lhes os ramos insensível
como se nos acenassem aflitas.

O Sol brilha cinzas erguidas
em horizontes distantes.

Recolhe-se a vida a ermidas
nos peitos dos caminhantes.

Luís Eusébio

21 comentários:

  1. Querida Júlia,
    por que despertará o Otono em nós a melancolia, se é uma etapa cíclica da renovação, ao contrário da transposição dele para a nossa vida, em que se corre para o fim de uma caminhada linear?
    Beijinho. O poema foi muito boa escolha, como a imagem, de resto.

    ResponderEliminar
  2. Outono. A minha estação preferida, que ao contrário do Paulo, não desperta em mim nenhuma melancolia. Deve ser por sentir no Outono o prolongamento do Verão e não o aproximar do Inverno. :D

    ResponderEliminar
  3. à revelia do tempo

    o

    outono
    "chega"

    a um cantar de amigo



    .
    um beijo

    ResponderEliminar
  4. diferente do meu o seu Outono Querida Júlia .. mas tão grato de ler :) Parabéns ao poeta e a Si *

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  5. Poema lindo, imagem linda, a falarem numa estação linda: rendo-me às cores da natureza, a começar pelo azul do céu e o dourado do sol.

    ResponderEliminar
  6. É nesta altura que começamos a morrer lentamente.
    Vamos indo até ao natal ... depois... os "nossos olhos miram a nudez impúdica das árvores!"
    Talvez o sol se erga das cinzas e nos aqueça um pouco mais.

    ResponderEliminar
  7. Na verdade, o Outono traz consigo uma inspiração poética ou literária próprias, acentuadas nesta época do ano.

    Talvez porque o Verão nos distraiu demasiado, deixando-nos porventura exaustos de diversão. Eis que de repente retornamos à nossa condição de «caniços pensantes», como nos chamava Pascal.

    Vai adiantada a noite, para prosseguir esta linha de reflexão, confesso.

    ResponderEliminar
  8. Querido Paulo, houve um ano que me deitei dois dias, tão melancólica fiquei com a chegada do Outono.

    Sobre o mérito do post, não é meu, cabe por inteiro ao poeta Luís Eusébio todo o mérito. Ele soube muito bem descrever o reflexo do outono nos "peitos dos caminhantes".

    beijinho

    ResponderEliminar
  9. Mike,para mim o Outono é o inicio do Inverno. O verão não tem prolongamento. Ou é ou não é :-)

    tinha que ser do contra, né? :-))

    ResponderEliminar
  10. Querida Gabriela, o Outono é poético porque triste. A alegria não tem história...

    ResponderEliminar
  11. Querida Once, tenho estado nestes ultimos dias sem leitura dos blogues. Lá irei ver o mais rápido possivel, pois é sempre o maior dos prazeres, lê-la.

    ResponderEliminar
  12. Querida Cristina, espero que o Poeta a leia e que lhe sirva de estimulo para nos dar mais poemas destes. :-)

    beijinho

    ResponderEliminar
  13. muito bem dito, José Torres!...é exactamente isso que eu sinto no Outono...

    ResponderEliminar
  14. É bem verdade, José Viriato. A melancolia ispira os poetas. :-)

    ResponderEliminar
  15. Lá está a Júlia a ver as coisas pelo lado pessimista. :-(
    E como estão esses lindos olhos?
    :-)

    ResponderEliminar
  16. uma pestana enfiou-se-me na córnea :-( estou a fazer um tratamento de 2 em 2 horas para a infecção.
    quem oouvir julga que sou pessimista..até nem sou...

    :-(

    ResponderEliminar
  17. Uma pestana?... onde é que ela está?... onde?... vou-me já a ela e parto-lhe a córnea! Ó pestana, voltas a brincar com os olhos da menina e arranjas sarilhos para o resto da vida. ;D

    ResponderEliminar
  18. sim... :-(

    a prostituta enfiou-se-me na córnea, ulcerando-a :-(

    (inserir aqui o beicinho da menina)

    nestes estados de espirito é que eu gostaria de ter uma caixa igual aos blogs da Sapo para inserir bonecos marados e esquisofrénicos :(

    ResponderEliminar
  19. Uma pestana na córnea? Ora, essa doença não me parece muito chique... ;)

    Beijo, as melhoras!

    ResponderEliminar
  20. tens razão! não tanto, pelo menos, quanto é partir-se o nariz :-P

    beijo

    ResponderEliminar