Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Quem me salva os meus fantasmas



Agora juntem-lhe estas palavras aqui

14 comentários:

  1. Eu dou-me como voluntário. Quantos são, hein?... quantos? (risos)

    ResponderEliminar
  2. são tantos, querido Mike, o Porto está cheio deles...

    ResponderEliminar
  3. há dias que tinha este video guardado, quando leio o texto que refiro.

    é um horror, Cristina...em que mundo vivemos?

    ResponderEliminar
  4. Não tenho pruridos em dizer a verdade, a minha verdade.
    Não suporto este indivíduo ...
    O que o safa são os poemas ... se aquilo é voz ... que vá vender lotaria.
    Que lhe apareça um fantasma e o leve para outras paragens ...
    Se conseguisse rasgar a internet, este naco, desaparecia do m7blog.

    ResponderEliminar
  5. O filme é duro: não sei se mais duro para nós, que nos sentimos culpados perante aqueles rostos, de pessoas perdidas...

    Solução? Sinceramente, não sei...

    ResponderEliminar
  6. José Torres, acho muito bem!

    Eu também não tenho problemas em dizer que gosto muitissimo dele, admiro-o. É um óptimo letrista e eu gosto de palavras.
    Além disso, Pedro Abrunhosa, segundo sei, é um homem culto, generoso, interessado nas questões sociais. Admiro-o!

    ResponderEliminar
  7. é verdade, CM..

    e eu também não sei...muito complicado..

    ResponderEliminar
  8. Sim, é um horror, quer no Porto, quer em Lisboa, quer em qualquer sítio.

    Mas a letra, a letra pode ser interpretada de todos os ângulos e enquanto a estava a ouvir, foi outro o meu ângulo.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. pois...por acaso eu concentrei-me no tema, mas é possível divagar sobre a letra e ainda bem!
    Diz no video que em Portugal existem 9000 sem-abrigo e só no Porto são 685.
    A ultima vez que fui a Lisboa não gostei nada da baixa por esse motivo...

    beijinho,Minucha!

    ResponderEliminar
  10. Júlia, a Baixa de Lisboa, quando eu era miúdo, até se podia bejar o chão!

    A Baixa estava cheia de vida, bonita, limpa, as montras com gosto... tudo era belo e a vida parecia infinda... ai!...

    ResponderEliminar
  11. CM, era um paraiso, do qual já só resta a memória...

    ResponderEliminar