Pesquisar neste blogue

sábado, 27 de setembro de 2008

dança

Lambert, George Washington Thomas (1873 - 1930)

Tenho a certeza que esta Lectrice de Lambert estará a ler

a

dança dos deuses

"Pus toda a minha alma numa canção
que cantei para os homens. E os homens riram!
Tomei meu alaúde, fui sentar-me no topo de uma
[montanha
E cantei para os deuses a canção que os homens
não tinham entendido.
O sol baixava. Ao ritmo da minha canção, os Deuses
[dançaram
nas nuvens encarnadas que flutuavam no céu."


Li Po, in "LI PO e TU FU- Poemas Chineses"
Tradução Cecília Meireles

Editora Nova Fronteira
pag. 68

27 comentários:

  1. :-)

    da foto ou da poesia?

    hummmdepois diz que não gosta.

    Com um postal tão lindo lá no seu sitio!

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito da foto, gostei muito do texto, gostei muito do conjunto dos dois... poesia?... hum... hã... qual poesia?... eu só vi um texto muito bonito... ;D
    Ó Júlia, isto não é mania. A poesia é muito exigente, cheia de segundas leituras, duzentas derivadas... cansa-ma só de andar à procura onde quer chegar o poeta. Gosto de mais linearidade, entende? (claro que entende!)
    Como este texto de hoje. :-)

    ResponderEliminar
  3. Huuuum, Querida Júlia, acha que tão subtil poema vem num jornal?
    E a ideia que esta lectrice dá é de ser vocacionada para outras danças, ao contrário da do Henner, que é uma das minhas mitificações.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Querido Paulo, a do Henenr já a coloquei uma vez. :-)

    E está a ver mal,não é um jornal, é papel da carta enviada pelo namorado , lê o poema transcrito nela.

    Não diga isso da menina, porque ela é comprometida !

    beijo!

    ResponderEliminar
  5. as melodias interiores
    tocam em poucos semelhantes.

    quantos rubis já não acreditam?

    só a possibilidade de Ser se comove …

    ResponderEliminar
  6. olá,VFS,

    Seja bem-vindo ao Privilégio dos Camnihos :-)

    ResponderEliminar
  7. olá,VFS,

    Seja bem-vindo ao Privilégio dos Camnihos :-)

    ResponderEliminar
  8. Júlia, hoje estou bem disposta e apetece-me abandalhar... vou dar-te a minha interpretação da lectrice: O que ela está a ler é a lista da casa de penhores, porque está sem cheta. A roupa já lhe levaram, coitada, até a camisa de noite. E a tela do quadro que tinha na parede, também. Ficou só a moldura. Coitadinha, só lhe resta mesmo dançar...

    (não ligues, o poema é lindo!)

    Beijinho. Não querias um abanão? :)

    ResponderEliminar
  9. Ana, foi isso mesmo que pensei, até o homem lhe levaram.
    Deve ter sido uma solicitadora de execução(mulher)porque um homem não iria fazer isso... :-)

    tu és danada. como viste a tentativa depost que fiz??

    não te escapa nada :-))

    beijo

    ResponderEliminar
  10. Querida Marie, ando meia choquita, e ainda por cima tenho a mania de colocar os poemas segundo o estado emocional do momento. Isso dificulta-me as postagens, bloqueando-as ;-(

    beijinho

    ResponderEliminar
  11. Oh Júlia! Já há tempo que não lia um poema com tanto significado evidente.Gostei.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. obrigada ,Cristina, pela sensibilidade, apanágio seu.

    beijinho

    ResponderEliminar
  13. com toda a certeza.



    só pode.


    :)


    e mal seria se nao estivesse.


    beijo.

    mulher bonita.

    ResponderEliminar
  14. O poema é bonito, sem dúvida. Mas, entretanto, outra dúvida subsiste.

    Sendo Cecília Meireles grande poetisa ou poeta, como querem certas feministas, não terá havido na tradução do poema demasiada recriação sua ? E, se a houve, ainda bem.

    Teria sido tradução directa, do chinês ou de outra língua ocidental ?

    Em todo o caso, foi um momento alto de Poesia que a Júlia aqui trouxe e isso vale por si.

    E a combinação com a outra arte, aqui evocada, a Pintura,com a presença deste belo quadro também resultou em pleno.

    Boa noite e bom início de semana.

    ResponderEliminar
  15. boa questão nos coloca,António Viriato!

    PEssoalmente, concordo consigo, é impossível traduzir-se poesia sem fazer um outro poema, jamais será o mesmo - MUDA È A ROSA!

    Confidencio que ao juntar o quadro de Lambert, também senti que o recriei, embora de uma outra forma.

    Enfim, o poema já pertence aos leitores que o leem...cada um segue a sua interpretação.

    boa noite e óptima semana também!

    ResponderEliminar
  16. Gostei muito, Júlia. Às vezes, também se encontram raros homens que dançam ao ritmo da música da nossa alma. Não são os nossos deuses, mas serão os nossos heróis. :-)
    P.S.: Discordo ligeiramente da interpretação da Ana. Se levaram a roupa da Lectrice, por que não lhe levaram também o luxo daqueles lençóis tão brancos e convidativos?... Ups, quatro horas! Uma boa noite e uma boa semana. ;-)

    ResponderEliminar
  17. Luísa, mas eles querem levar-lhe os lençóis também... é isso mesmo que ela está a conferir na lista dos penhores, e não sai de cima deles até ter a certeza! ;)

    ResponderEliminar
  18. Júlia, eu tenho um reader... por isso vi o teus post-fantasma!

    ResponderEliminar
  19. Não sei se viste ana v. São post-fantasma... Não se observam, embora fazendo parte da vida.

    Rogério.

    ResponderEliminar
  20. Ana, já me assustaste várias vezes com isso. Apanhas-me nos ensaios - risos
    Tentei ontem postar algo engraçaso mas não consegui, por dificuldades com o html.

    Um Reader, está explicado! Chiça!! e eu a pensar que eras bruxa. Muito melhor, ter um reader, sem dúvida!

    ResponderEliminar
  21. é isso, Luisa, lençóis alvos e de seda, vê-se bem pelo frou-frou :-))

    A Ana embirrou com a rapariga e ainda nao percebi porquê ;-)

    ResponderEliminar
  22. é verdade, Rogério, os fantasmas povoaram o Privilégios. :-)

    beijinho daqui

    ResponderEliminar
  23. Não embirrei nada... até estou com pena dela, coitada!

    Nos readers só se lêm os posts publicados, mesmo que sejam retirados logo a seguir.

    beijinho

    ResponderEliminar
  24. Todos viram e não viram nada ...
    Ora reparem bem ...
    Está a ver fotos do namorado nu, (ou doutro qualquer)!
    Ampliem a imagem ... para saberem que tenho razão!
    Há pequenos detalhes que muitas vezes escapam-se-nos.
    Mas aqui são evidentes

    ResponderEliminar